Zendaya entrevista Josh O’Connor, seu colega de filme em “Challengers”, para a revista VMAN

salvo em: Challengers , Entrevistas
postado por João Almeida
visualizado: 29 vezes

Mesmo com a notícia de que “Challengers” foi adiado para o ano que vem, algumas notícias já estavam agendadas para este ano, como foi o caso do ator Josh O’Connor, que faz parte do elenco do filme e foi capa da revista VMAN.

Mas não se trata apenas de uma entrevista com o ator; na verdade, Zendaya foi chamada para entrevistar Josh, e descobrimos mais sobre o ator e também sobre “Challengers“, no qual compartilham a tela.

Durante a entrevista, Josh O’Connor revelou que Zendaya estava ouvindo a nova música da Beyoncé, “Break My Soul“, o tempo todo, e que ninguém conseguia falar com ela:

“Teve um dia em que estávamos gravando [Challengers] e a nova música da Beyoncé tinha sido lançada [Break My Soul], e ninguém conseguia falar com a Zendaya. Tipo, nós não conseguimos nos envolver o dia inteiro; Zendaya estava apenas escutando a música a cada segundo. Foi muito bom. Ela amou.”

Confira agora a entrevista completa:

ZENDAYA: Olá!

JOSH O’CONNOR: É você, Z?

Z: Sim, sou eu [risos]. Ok, deixe-me colocar meu chapéu de jornalista rapidinho.

JO: Não acredito que você tem um chapéu de jornalista [risos].

Z: Claro que tenho. Ok, quero começar do início. E não posso acreditar que ainda não sei a resposta para isso, mas quando você começou a atuar? De onde vem o seu amor por isso?

JO: É estranho que não tenhamos falado sobre isso, porque pelo que sei sobre você, você faz isso há muito tempo – e eu meio que cheguei a isso. Acho que no Reino Unido é um pouco diferente porque há uma rota tradicional que se espera seguir. Você deve passar pelo treinamento em uma escola de teatro, trabalhar em um teatro e depois subir na carreira. Mas isso mudou ao longo dos anos. Alguns dos melhores atores no Reino Unido não são treinados, então definitivamente não é o fim do mundo.

Eu era apenas um problema quando criança e realmente não sabia o que estava fazendo. Mas lembro que sempre fui obcecado por arte. Eu estava sempre desenhando – minha avó é ceramista, então eu sempre ficava no estúdio dela. Meu avô é escultor e eu sempre quis fazer aquelas coisas. Eu fiz uma peça na escola e disseram: “Você deveria fazer mais.” E eu disse: “Bem, isso é meio fácil de ficar bom porque você não precisa escrever nada.” E foi daí que começou. Mas definitivamente não foi cedo, foi na verdade bastante tarde.

Z: E qual foi o seu primeiro filme? Porque tenho que assistir.

JO: Vou contar só se você prometer nunca assistir. É muito ruim [risos].

Z: Não posso prometer isso. Sinto muito [risos].

JO: Eu fiz dois filmes. Um se chamava “The Magnificent Eleven”, que era uma versão de “The Magnificent Seven” – um filme incrível. Era ambientado no East End de Londres e todos esses jogadores de futebol. Esses [personagens] faziam parte de um time de futebol da liga dominical. Então fiz isso e, ao mesmo tempo, fiz um filme com esta incrível cineasta, Joanna Coates. Ela havia feito alguns curtas-metragens e eu trabalhei no primeiro longa-metragem dela. Na época, ela disse: “Vou fazer deste o meu primeiro longa-metragem e vamos fazer com 13.000 libras.” Todos nós morávamos sob o mesmo teto – Luca [Guadagnino] teria adorado esse filme. Os quatro morávamos sob o mesmo teto e cozinhávamos uns para os outros. Alguns dias eu estava segurando o microfone; outros dias, eu estava atrás da câmera. Então, para mim, esse filme ainda é muito parte de mim. Estou muito orgulhoso dele.

Z: Sim, com certeza. Você faz parte dessa coisa maior, e realmente não importa como isso vai terminar. É a experiência que é tão especial.

JO: Exatamente. E eu sei que com você, porque você começou tão jovem, mas quando você entra nisso jovem, esses sets de filmagem são realmente como uma família. E acho que se você teve essa sensação no início da sua carreira, naturalmente, você vai querer ser generoso com a equipe, e você quer que a equipe seja generosa com você porque você tem esse relacionamento com eles. Você tem uma compreensão de que é benéfico para todos se todos se derem bem. E, embora eu não tenha tido essa experiência super jovem, como você, acho que você deve ter tido uma experiência semelhante.

Z: Sim, com certeza. Eu também adoraria ouvir você falar sobre sua experiência filmando Challengers. Não falamos muito sobre o processo, mas acho que construímos nossa própria comunidade. Tivemos tempo de ensaio e tempo para conversar sobre isso. Como foi para você? Porque eu realmente gostei. Sinto que não temos isso com frequência ultimamente.

JO: Concordo totalmente. Eu realmente não tive isso em um filme. Fui muito afortunado no início da minha carreira – com os filmes independentes britânicos com os quais comecei – de ter diretores trabalhando nas cenas comigo. Como quando fiz God’s Own Country, eu morava em uma fazenda e trabalhava nessa fazenda por meses antes das filmagens.

Z: Oh, legal. Eu não sabia disso.

JO: Sim, e tudo isso foi realmente útil para mim. Mas, para algo como Challengers, aquele roteiro – apenas o roteiro – é tão delicioso. O diálogo é tão bom. Na maior parte da minha carreira, quando comecei no teatro, esses dias de ensaio eram os meus favoritos. Eram a melhor parte do trabalho todo porque estávamos todos vivendo juntos – tomando café e tentando entender essas cenas.

Todos nós temos um instinto, e especialmente em Challengers, pode ser um pouco assustador chegar no primeiro dia. Lembro-me de pensar: “Lá estão a Z e o Mike [Faist], ambos arrasando.” É intimidador até você começar a se sentar e conversar com as equipes. Porque você percebe que nenhum de nós, incluindo o Luca – o Luca tem uma ideia do que ele quer – mas nenhum de nós sabe sobre o que são essas cenas, porque elas podem ser sobre qualquer coisa.

Z: Concordo completamente. E deixe-me acrescentar – acho que todos nós sentimos isso no primeiro dia. Eu estava tão animada para entrar nisso, pois adorava The Crown, e vi o Mike na estreia de Dear Evan Hanson.

JO: Sim, eu lembro disso!

Z: De qualquer forma, eu era uma grande fã e achava vocês todos tão talentosos. E acho que, como ator em geral, você muitas vezes entra nas coisas e pensa: “Eu não mereço estar aqui”.

JO: Sim, essa é outra coisa. É louco ouvir alguém como você dizer isso. Mas, na verdade, todos somos iguais nesse sentido. Porque, no final das contas, toda vez que você termina um trabalho, está desempregado. E parece absurdo, mas sempre há esse sentimento assombrador de tipo: “Eu não mereço isso”. Porque, a qualquer momento, 99% dos atores estão desempregados. Então, sempre há esse sentimento de tipo: “Tenho muita sorte de poder fazer o que amo”. E estar ao redor de outros atores que você sente que são atores de verdade, que estão sentindo as mesmas inseguranças, torna tudo muito mais fácil. Porque todos vocês estão no mesmo nível, e vocês ainda estão fazendo o seu trabalho.

Z: Você fez projetos lindos. Estou curiosa para saber como você os escolhe. É uma daquelas coisas em que você lê a descrição e já sabe imediatamente? Ou o diretor o atrai?

JO: Embora eu adorasse proclamar que tenho uma ideia muito clara do tipo de ator que quero ser – ou do tipo de trabalho que quero fazer, eu ainda não sei de tudo. Ainda estou descobrindo e aprimorando minha arte à medida que avanço. Acho que todos temos uma ideia do tipo de trabalho que nos interessa.

Esse filme que estou prestes a começar no Colorado – os roteiros são loucos. Não tenho nada para me segurar, mas por algum motivo, isso me atingiu. E da mesma forma, para Challengers – todos sabíamos que o roteiro era incrível. Mas a equipe acrescenta a isso. Há uma equipe incrível aqui – você, Mike, Luca, Amy [Pascal] e a MGM. Então você sabe que será algo diferente. Acho que o roteiro é definitivamente o primeiro atrativo, mas o diretor faz uma grande diferença para mim. Às vezes, você apenas tem essa conexão com alguém e pensa: “Eu vou seguir sua liderança”.

Eu presumo que seja o mesmo com você, certo? Isso meio que muda para cada projeto?

Z: Sim, absolutamente. Para mim, como você disse, foi o roteiro. Foi a perspectiva de talvez poder trabalhar com vocês. Eu pensei: “Tomara que eles sintam o que eu sinto”. Mas também conversar com o Luca. Acho que uma coisa em que ele é realmente bom é pensar no roteiro dentro do roteiro – destacar coisas que eu não via sobre os personagens. Conversamos muito sobre isso no set, mas há tantas camadas ali. E acho que ele é bom em encontrar essa nuance, sabe?

JO: Sim, o Luca realmente traz algo. Não é apenas um filme sobre tênis ou um filme sobre um triângulo amoroso, é psicológico, emocional, é luto, é tudo.

Z: É super intenso. Concordo. Há um roteiro no papel, que é obviamente muito divertido, mas existem camadas com as quais você pode brincar na vida real. Acho que ambos concordamos que você é uma ótima pessoa, mas você não é nada parecido com o Patrick. E isso é o divertido, sabe?

JO: Sim, exatamente. Estávamos dizendo esses dias que nossos personagens neste filme são horríveis.

Z: Eles são terríveis.

JO: Eles são tão terríveis. E acabamos de lançar o trailer esta semana, e alguns dos meus amigos disseram: “Meu Deus, é tão bom te ver sorrindo em um filme”. E eu fiquei tipo: “Ah, Deus”. Se eles acham que podem ver o verdadeiro Josh com sotaque americano, isso não é assim. Eu não sou assim, eu prometo [risos].

Z: Mas é isso que foi tão divertido, né? Eu odeio dizer vilão, mas há uma qualidade de vilão em todos os personagens. E acho que isso foi divertido.

JO: Quando li o roteiro pela primeira vez, meus pensamentos imediatos foram: “Patrick é um vilão, Tashi é meio vilã, e pobre Art.” Tudo o que eu conseguia pensar era: “Esse coitado”.

Z: Meu Deus, eu sei. Senti isso uma vez e depois li de novo [risos].

JO: Sim, para mim, houve esse momento de revelação em que pensei: “Meu Deus, a pequena cobra!” Foi uma grande descoberta para mim com o personagem, porque aos poucos descobri que o Art tem sua própria escuridão.

E tenho pensado nisso, mas certamente este foi o filme de maior orçamento que já fiz. E estar em uma sala – salão de igreja ou o que quer que seja em Boston – com você, Mike, Justin, Luca e Amy por três semanas seguidas apenas conversando sobre coisas. Como isso é incrivelmente legal? Tivemos muita sorte mesmo. Você já teve esse tipo de ensaio e espaço para um filme desse tamanho? Porque você tem mais experiência trabalhando com filmes desse porte?

Z: Nunca dessa magnitude, não. Você apenas mergulha de cabeça e está tudo acontecendo. Normalmente, em grandes filmes, há muitas peças, mas com este, éramos só nós três.

JO: Com Malcolm & Marie, você teve esse tempo?

Z: Sim, foi mais parecido com isso. Tivemos semanas e semanas de quarentena e apenas conversando sobre isso. Mas, novamente, éramos só nós. Era pequeno – era como uma equipe esquelética. Então, você tinha aquela atmosfera de usar muitos chapéus, como você estava dizendo sobre seus projetos anteriores – eu estava fazendo meu cabelo e maquiagem e todas essas coisas. Então, ter essa mesma intimidade – conhecer todo mundo e se sentir próximo de todo mundo – e ao mesmo tempo, ser um projeto mais massivo foi tão legal porque nunca tive isso antes.

JO: The Crown é provavelmente a coisa mais próxima de Challengers em tamanho, mas também os descritores de diálogo, que eram a coisa. A coisa mais importante em The Crown era o roteiro de Peter Morgan. E na maior parte do tempo, eu pensava: “Como diabos você deve fazer isso sem ensaiar?” E você chega e Olivia Coleman está no modo Deus total, e ela sabe exatamente o que fazer. Ela tem um instinto. Mas mesmo ela sabe que metade da batalha é o que a outra pessoa está oferecendo. Então, sim, eu ainda me considero e todos nós tão sortudos por ter tido esse tempo. E acho que isso fará com que esse filme se destaque muito mais.

Z: Como você encontrou o Patrick? Como o deixou entrar no seu espírito?

JO: Bem, havia o lado do tênis, no qual todos nós tivemos que nos aprofundar. Eu realmente gostei de assistir aos jogadores e aos temperamentos desses jogadores. Para mim, o grande destaque foi [Nick] Kyrgios, que tem esse temperamento ardente. Literalmente, o humor dele pode mudar em um segundo. Então, assisti-lo foi realmente útil para mim.

Z: Com certeza. E você encontrou um sotaque, uma fisicalidade e uma aparência – que todos nós sabemos que levou um tempo [risos].

JO: Lembro-me daqueles dias em que nós três estávamos treinando juntos todos os dias. Você sabe disso, Z – então estou contando para todos os outros que não estavam lá – Mike Faist é uma máquina absoluta. Ele adora malhar.

Z: Tem ele e temos nós [risos].

JO: Sim, estávamos tipo: “Claro, isso está bem, mas também não está tão bem.” A grande coisa sobre a parte da fisicalidade é – e dou crédito ao Luca por isso – não importa quem você é ou o quão pouco você se importe com a aparência, se estiver em boa forma física, isso afeta sua confiança. Estou tão feliz por termos feito todo esse treinamento e por termos passado tempo juntos.

Z: Sim, foi nosso acampamento de verão.

JO: Foi um acampamento de verão legítimo.

Z: Realmente foi, tínhamos educação física de manhã, depois almoço, e depois o acampamento de atores para falar sobre aquele roteiro.

Z: É fácil se assistir, ou é difícil?

JO: É difícil. Acho que com este filme, foi um pouco mais fácil porque eu estava incrivelmente orgulhoso de ter a oportunidade de trabalhar com vocês e com o Luca. E eu sabia que o Luca não ia nos fazer parecer mal. Ele tem uma sensibilidade tão grande sobre como todos aparecem, então isso foi menos preocupante para mim. Mas sim, geralmente não gosto de me ver.

Quando assisti a uma prévia, levei meu melhor amigo com quem cresci –

Z: Qual foi a reação dele?

JO: Oh, foi louco. Ele é a pessoa mais crítica do mundo, mas ele disse: “Josh, este filme é incrível”. E eu te prometo, ele nunca diz essas coisas – ele será o primeiro a dizer: “Eu odeio este filme. Você está terrível neste filme”.

Z: Você tem que ter esses amigos.

JO: Você tem que ter esses amigos. Mas ele está tão empolgado com o filme. E definitivamente senti isso na época, mas é um dos poucos filmes que eu poderia assistir de novo e de novo e de novo.

Na verdade, teve uma noite em que jantamos com a Amy e o Luca – estávamos todos juntos em Boston e estávamos falando sobre nossos filmes favoritos. Era bem no início, e lembro de pensar: “Oh meu Deus, eles estão prestes a chegar até mim”. Eu preciso pensar em algo artístico para impressionar o Luca e depois algo divertido que não me faça parecer um esnobe. E lembro de chegar a minha vez e dizer Accattone, que é um filme italiano brilhante, mas de nicho. E o Luca ficou realmente impressionado, e eu pensei: “Bem feito, Josh”. E, é claro, meu filme favorito é Superbad, o que foi um grande acerto para a Amy. E o Luca adora Superbad – todo mundo ama Superbad.

Depois, eles me perguntaram por que eu gostava de Superbad, e acho que uma das coisas sobre um filme como Superbad é que eu poderia simplesmente assisti-lo várias e várias vezes. E não estou dizendo que Challengers é como Superbad de alguma forma, mas acho que Challengers tem o potencial. Isso é o que meu amigo estava articulando. Pode ser um daqueles filmes que você pode continuar assistindo porque é uma emoção tão intensa. É como uma droga. A excitação simplesmente te leva direto para o filme, e não parece longo. Você não se arrasta através dele. Então, para mim, esse é o nosso maior feito – o fato de alguém querer voltar e assisti-lo novamente. Isso é um elogio realmente ótimo, acho.

Z: Sim, eu só curti as conversas depois do fato – Time Tash, Time Art, Time Pat. Quem é o vilão? Quem é o mocinho? E isso muda toda vez.

Você pode voltar e ver as pessoas de uma perspectiva diferente, o que acho que é o objetivo do que fazemos, sabe? Esperançosamente, isso faz as pessoas humanas. Elas são bagunçadas e tomam decisões ruins (ou decisões complicadas), e acho que é nosso trabalho deixar as pessoas verem diferentes versões de si mesmas ou de pessoas que amam dessa forma.

JO: E é isso. Quantas vezes todos nós já dissemos, “Ah, eles se comportaram mal nessa situação.” E então, alguns anos depois, pensamos: “Na verdade, eu não me comportei perfeitamente naquela situação. Eu poderia ter lidado com isso melhor.” Isso é meio que a jornada que todos nós fizemos neste filme. Em diferentes momentos, você pensa que está certo e eles estão errados, e então isso deve virar completamente de cabeça para baixo. Acho que todos somos culpados disso, e acho que as pessoas realmente verão isso no filme, o que é ótimo. Isso é o que buscamos.

Z: Quero dizer, humanidade no final do dia.

JO: Exatamente, humanidade.

Z: Amem uns aos outros e não manipulem seus amigos ou seus cônjuges. Eu costumo chamar este filme de “Codependência: O Filme”.

JO: Eu amo isso como um slogan. Já consigo ver isso se espalhando.

Z: Sim, adoro ver a interpretação das pessoas sobre os personagens quando elas viram apenas o trailer. É como, espere só – você não faz ideia.

JO: Espere só – você vai ficar realmente surpreso.

Meu pai, que era professor de inglês, costumava falar muito sobre Shakespeare. E a coisa que ele sempre me dizia sobre os vilões de Shakespeare é que eles não se veem como vilões. Essa mensagem sempre ficou comigo, mas especialmente quando assumi o papel de Patrick em Challengers.

Z: Sim, eles têm que acreditar em seu propósito e no que estão fazendo. Isso me leva ao seu propósito. Como é o futuro para Josh?

JO: Como eu disse antes, ainda estou tentando entender tudo. E eu até gosto de não ter um plano específico.

Z: Eu ia dizer – você fez o nosso filme e depois foi viver uma vida nômade e linda.

JO: Sim, tive o maior contraste no ano passado. Não consigo lembrar se você viu o apartamento que eu tinha em Boston – você deve ter visto porque veio assistir Ratatouille. Mas eu tinha este apartamento insano no Four Seasons enquanto estávamos filmando, e, um mês depois, estava na minha van, estacionada à beira de um lago no meio da Itália. Eu estava usando um caiaque para fazer minhas compras na vila próxima. A única maneira de chegar lá era remar sozinho. Então, para o futuro, não há um plano real.

Estou apenas descobrindo enquanto vou. Sou inspirado por pessoas como você, Luca, e todas as pessoas incríveis com quem tive a oportunidade de trabalhar. Vou continuar seguindo o exemplo deles e ver o que vem em meu caminho.

Z: E você tem suas cerâmicas.

JO: É sempre a coisa engraçada. Sinto que posso me perder em meus próprios pensamentos às vezes e ser um pouco distante. Mas se alguém iniciar uma conversa comigo sobre cerâmica, primeiro eles vão dizer: “Meu Deus, o Josh está animado com alguma coisa.” E, então, cinco minutos depois, vão dizer: “Cala a boca. Pare de falar sobre isso.” Mas eu acho que todos têm algo que os faz vibrar [risos]. Houve um dia em que estávamos filmando, e a nova música da Beyoncé estava prestes a ser lançada – e não estou dizendo que a Beyoncé é como sua cerâmica, mas ninguém conseguia conversar com você. Como se não nos envolvêssemos o dia inteiro, você só estava ouvindo aquela música a cada segundo.

Z: Sabe o que era? Era nosso último dia em Boston. E eu estava pensando: “Quais são as chances?” Ela nos deu uma boa música para nos despedir.

JO: Isso é verdade. Foi tão boa. Você estava adorando.

Z: Lembro-me de você me contando todos os nomes diferentes de ceramistas famosos um dia, e achei realmente legal que você tenha algo que o mantém ancorado fora do que fazemos.

JO: No final das contas, isso é um trabalho. E, embora eu ame o que faço, acho que tem que haver algo mais. Você tem que manter essas outras coisas sagradas. E você tem que se apegar a elas porque são tão importantes quanto qualquer outra coisa. De certa forma, elas informam como você trabalha. E, tanto quanto eu amo cerâmica pelo fato de serem funcionais e bonitas, eu também amo o processo. Adoro o processo de pegar algo do solo, usar as mãos e fazer algo que dura para sempre. E acho que isso se relaciona com a atuação – usamos nossa imaginação e o material de origem de uma grande escrita, e trabalhamos com outro ser humano para criar algo que esperamos que dure para sempre.

continue lendo